TODOS OS POEMAS AQUI POSTADOS TÊM DIREITOS DE AUTOR. É EXPRESSAMENTE PROIBIDO COPIAR OU COLAR QUALQUER TEXTO AQUI EXPOSTO SEM A AUTORIZAÇÃO PRÉVIA DO AUTOR.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2022

A CHUVA CAI

 

A chuva cai... 

no chão vestido de ansiedade 

onde as pedras absorvem as pegadas

do ritmo alucinante dos dias 

nesta cavalgada desenfreada 

à procura da esperança 

no ritmo infernal dos tempos 

neste universo imprevisível

dos passos desastrados 

nesta caminhada nefasta 

da nossa inquietação. 


A chuva cai.. 

no chão negro de tristeza 

ofuscando o sol dos nossos passos 

no universo difuso e complexo 

deste mundo em convulsão. 


A chuva cai... 

encharcando de dor...

o nosso coração. 


Mário Margaride

01-12-2022  

                                          Feliz fim de semana!

                                             Beijos e abraços! 

segunda-feira, 28 de novembro de 2022

SÃO AS NOITES

 

São as noites... 

onde o pensamento não dorme

e fala baixinho 

dentro de nós 

onde as quimeras flutuam

no universo dos sonhos 

das nossas ilusões.


São as noites... 

onde o fulgor do desejo

se transforma em sonho

diambulando em desalinho 

dentro do nosso pensamento

numa cavalgada desenfreada 

no universo complexo 

das nossas contradições. 


São as noites 

o refúgio do silêncio...

das nossas desilusões.


Mário Margaride

27-11-2022 


sexta-feira, 25 de novembro de 2022

SENTIMENTO INQUIETO

 

Há nuvens no meu coração 

quando em mim existe

inquietude

são a alma dorida

atormentada

que dão ao meu sentir 

amplitude.


São estes sinais  

que vagueando 

vão sinalizando a nossa vida

amor, desilusão

felicidade

que correm procurando

uma saída.


E neste caminho percorremos

as ruelas em várias direções 

onde a luz e a sombra

se misturam

vagueando nos nossos...corações.


Mário Margaride

24-11-2022 

                                           Feliz fim de semana!

                                              Beijos e abraços! 

segunda-feira, 21 de novembro de 2022

TODOS

 

Todos os sóis têm um pino

Todos os dias têm um fim

Todas as ondas rebentam na praia 

Toda a revolta rebenta em mim.


Todas as horas têm minutos

Todos os dias têm um fim

Todo o mal se expande pelo mundo 

E suas dores as sinto em mim. 


Todos os gritos ferem os ouvidos 

Do barulho do silêncio que ficou sem voz 

Todos os silêncios são ruidosos 

Contidos, sufocados...bem dentro de nós. 


Todos os risos têm um choro 

Todos os rios correm para o mar

Todos os amores têm um fim 

Mesmo que finjam não acabar. 


Todos nascemos vivemos e morremos 

A vida é assim e sempre será 

Mas temos sempre em nós a esperança 

De um melhor e mais justo...amanhã. 


Mário Margaride 

20-11-2022