TODOS OS POEMAS AQUI POSTADOS TÊM DIREITOS DE AUTOR. É EXPRESSAMENTE PROIBIDO COPIAR OU COLAR QUALQUER TEXTO AQUI EXPOSTO SEM A AUTORIZAÇÃO PRÉVIA DO AUTOR.

sábado, 15 de janeiro de 2022

NA PRISÃO DO SOFRIMENTO

 

Onde estás, ó caminheiro 

que desistes sem razão

tiveste medo, sumiste 

sem lutar pelo teu pão?


Por muito duro que seja

o caminho a percorrer

tens que seguir na viagem 

sem nunca perderes coragem 

porque parar, é morrer. 


Na prisão do sofrimento 

vives triste, acorrentado 

perdido na escuridão 

sem abrir a porta à razão 

da raiz do pensamento.


Liberta a voz que há em ti 

grita alto a bons pulmões

não deixes que a tua sorte

fique na mão de ladrões! 


Mário Margaride 

                                          Feliz fim de semana! 
                                              Beijos e abraços! 





quarta-feira, 12 de janeiro de 2022

DIFÍCEIS ESCARPAS

 

Vamos subindo as escarpas

desta montanha imponente 

com caminhos sinuosos 

mas vamos seguindo em frente.


Nos colocam obstáculos

a todo e qualquer momento

mas não conseguem parar

a raiz do pensamento.


Na penumbra do silêncio

se grita aos ouvidos moucos

devagar, devagarinho

vamos escalando aos poucos.


Para escalar esta montanha

é preciso persistência

coragem, sabedoria

e alguma inteligência.


Não é fácil escalar

estas montanhas de "estrume" 

mas com cuidado, e atentos

lá chegaremos ao cume.


Mário Margaride

12-01-2022


segunda-feira, 10 de janeiro de 2022

IMAGINAÇÃO


Quando divagamos

pela imensa e Infindável

imaginação 

desejos insanos nos invadem

onde os sentidos 

perdem o controlo

e as emoções...

emergem sem razão.


A mente viaja sem limites 

onde o desejo emerge

fascinante

os sentidos fervilham

sem controlo 

numa cavalgada louca  

alucinante

entre a realidade 

e a imaginação 

onde a mente se entrega

sem reservas 

numa louca e descontrolada... 

emoção. 


Mário Margaride

10-01-2022 


sábado, 8 de janeiro de 2022

VERTINGEM

 

No alto da falésia

observo a imponência do Mar

e o esbarrar das ondas

nas rochas já gastas

e cansadas 

deixando a sua marca

o seu poderio

a sua ostentação. 


Na areia da praia 

vê-se o burbulhar da espuma

que o vai e vem das ondas

ali deixou.


Nesta constante vertingem

onde o Mar fustiga 

intensa e impiedosamente 

nas rochas 

velhas 

gastas e indefesas 

aí sentimos

a nossa insignificância

a nossa impotência

perante o poderio 

a imensidão

deste implacável 

e assustador...Mar


Mário Margaride


08-01-2022

                                            Feliz fim de semana!!

                                               Beijos e abraços!!